terça-feira, 30 de julho de 2013

Arte & Pessoa com Deficiência



Por Herbert Baglione

Mercado de Trabalho da ADEFERN

Aos interessados, entrar em contato pelo número (084) 3614-2060.

Atenciosamente,

Décio Filho
Departamento Geral da ADEFERN
www.adefern.blogspot.com.br

Campanha de Julho 2013

Não seria possível manter nossos serviços sem a ajuda de todos os sócios e doadores. Suas contribuições são nosso meio para continuar lutando pelos direitos das Pessoas com Deficiência de nosso Estado como para promovê-las com nossos serviços no Centro de Reabilitação, Profissionalização e Inclusão Social José Odon Abdon

A todos, nossos agradecimentos.

Décio Filho
Departamento Geral da ADEFERN
www.adefern.blogspot.com.br

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Mercado de Trabalho da ADEFERN



Para mais informações: (084) 3614-2060

Décio Filho
Departamento Geral da ADEFERN
@adefern_CERPIS

UFRN e Acessibilidade

A PROEX promove Concurso Fotográfico sobre Acessibilidade e Respeito.
A UFRN, por meio da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) e da Comissão de Apoio ao Estudante com Necessidades Educacionais Especiais (CAENE) realiza o Concurso Fotográfico "Acessibilidade e Respeito: Eu posso! Você deixa?". A Finalidade é incentivar a arte da fotografia e estimular o surgimento de novos talentos.

O Concurso sensibiliza e desperta um novo olhar sobre a diversidade humana e inclusão. Aspectos relacionados aos diferentes tipos de deficiência (física, sensorial e intelectual)poderão ser registrados. As fotos enviadas deverão ser coloridas ou em preto e branco, retratando a visão pessoal sobre a acessibilidade e o respeito relacionados aos diferentes tipos de deficiência.

Podem participar fotógrafo amador e profissional. As inscrições estão abertas até o dia 30 de Setembro e deverão ser feitas mediante o envio das fotos, obrigatoriamente com as etiquetas preenchidas e coladas nos versos das mesmas, pessoalmente ou via correio para a CAENE.

Os concorrentes poderão se inscrever com o limite máximo de três fotografias, medindo 20x30 cm em papel fotográfico fosco.

A Seleção e a Premiação das Fotografias serão realizadas por uma comissão composta por três membros da UFRN. os prêmios serão concedidos aos três primeiros lugares e menção honrosa para as próximas 12 fotografias. O primeiro lugar ganha uma máquina fotográfica, o seguindo recebe um Laptop e o terceiro, um livro.

O Resultado será dia 25 de Outubro, na CIENTEC. Mais informações pelo E-mail:
inclusao@reitoria.ufrn.br ou pelo telefone (084)3342-2501

sexta-feira, 19 de julho de 2013

MERCADO DE TRABALHO DA ADEFERN


Aos interessados, por gentileza, entrar em contato com nosso Departamento Geral pelo número   (084) 3614-2060.

Atenciosamente,

Décio Filho
Chefe do Departamento Geral da ADEFERN
www.adefern.blogspot.com.br
quarta-feira, 17 de julho de 2013

"O que vejo, atualmente, e o que não quero ver novamente nesse meu país"

Você já viu a mala velha quando se bate nela para tirar o morfo? É assim que está se sentindo a população brasileira, é assim que se sente a maioria das pessoas que; cansadas de apanhar, cansadas de sentirem, na pele, a dor pela falta de uma saúde digna de um povo simples e trabalhador, o susto diário causado pela insegurança pública, a quase cegueira de uma educação que deseduca e que nos ensina a metodologia equivocada, o dissabor de sentir o cansaço da labuta diária pela falta de um transporte de qualidade, de um trabalho cansativo para, ao fim do mês, ter como gratificação um salário pífio que não faz qualquer justiça ao suor cotidiano derramado pelo trabalhador.
Enquanto isso, corruptos e desonestos, eternos dilapidadores do bem público, aqueles que vivem mamando nas tetas do poder, se locupletam com o dinheiro público e se beneficiam com os favores do poder e ainda, acham que são os poderosos.
Desonestidade nunca foi poder... Eles esquecem o que diz a nossa Carta Magna, em suas sábias linhas quando diz: "Todo poder emana do povo em seu favor, será exercido".
Isso explica a profunda amargura e decepção que passa a nossa brava gente brasileira e para mostrar que tudo que tem um começo tem um fim. Passou a se organizar e a se impor para esse poder que pensa que é forte e que, na realidade, é débil, diante das evidências.
Somente, uma coisa nos mete medo e é bom que tenhamos bastante atenção: temos que nos organizar e não podemos pensar em aproveitar das situações para cometer atos abusivos. Se não tomarmos cuidado para separar o joio do trigo, poderemos correr o risco de passar os pés pelas mãos.
Quando esses, nada puderem fazer para coibir situações incontroláveis, aí há de se pedir ajudas para outras forças, aí, como numa partida de futebol onde um litigantes passa a gostar do jogo. Essas outras forças podem gostar do jogo e se tornarão senhores da situação. Esse é que é o momento de olharmos as coisas e situações com o olhar mais cuidadoso, do guardador, do amado,  do amante, do cidadão na acepção da palavra para que não tenhamos os dissabores de retrocedermos ao passado e ver os anos negros como passou a nossa amada terra brasileira.

Não quero ver as coisas que vi enquanto jovem estudante nos anos 60 e 70. Não quero levar chutes no traseiro como levei nos anos de chumbo só porque houve período que dois estudantes sequer podiam andar juntos ou conversar.
Aqueles que, como eu já rompeu os 60 anos, sabe muito bem no que eu estou falando, sabe o que o poder emana do povo e o sofrer, por menos que seja o tempo do sofrimento, é desse mesmo povo, do nosso povo.
Temos todo o direito de buscarmos a melhoria para a qualidade de vida do nosso povo pois, afinal, unidos jamais seremos vencidos. Disso já temos provas, disso temos certeza, mas temos de ter a devida noção e manifestar com bom senso.
É hora de tomarmos consciência de que podemos conjugar com dignidade o verbo "poder" no presente do indicativo na primeira pessoa do singular e do plural.
E nós, pessoas com deficiência? Onde é que entramos na história? Nós também somos cidadãos, somos pessoas que sentimos, mas que ninguém sente na pela as desventuras, os desmandos, as ações inconsequentes e muitas vezes, tutelar ou como diz o sábio home: "querem passar manteiga nas nossas ventas". Passam sim, se deixarmos. Fazem-no tutelados se deixarmos, mas, ninguém passa por cima de nós se não deixarmos, se não quisermos, se formos capazes de demonstrar a nossa força, o nosso poder de coesão e trazer, com legitimidade, a sociedade civil como nossa parceira.
Como todo cidadão brasileiro, não se impõe e se Deus é brasileiro, eu também sou filho de Deus e tenho o direito de lutar por uma sociedade mais justa e igualitária, onde pessoas possam ter as mesmas oportunidades. E  é por isso e para isso que nós, enquanto militantes, devemos resgatar.
A nossa marcha é uma marcha calada e sorrateira já que somos um exército invisível. Comentou certa vez um político: "se organizados, devidamente, poderemos contribuir decisivamente para fazer o nosso Brasil, um país mais digno para nossos filhos".

Por José Odon Abdon
Presidente da ADEFERN  

Search

Carregando...

About Me

Minha foto
ADEFERN
Nossa Missão é Reabilitar, Profissionalizar e Incluir Socialmente a Pessoa com Deficiência
Visualizar meu perfil completo